quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Queria ser gigante, para viver com a cabeça na Lua e os pés colados no chão, é incrível como os extremos me encantam.

Queria entender porque estou sempre sem caneta e papel quando me aparecem boas idéias e, porque elas teimam em fugir tão rapidamente.

Queria gastar dinheiro com coisas que durassem mais tempo e ser atraída pelo barato.

Queria ter o controle de situações que ninguém nunca conseguiu controlar e desvendar segredos que ajudassem outras pessoas.

Queria amar as pessoas na mesma intensidade que elas me amam, talvez mais, nunca menos.

Queria ser sempre positiva. O positivismo não convence como o realismo, mas pelo menos conforta. Preocupar-se com o real é um dos males para a alma. Gosto do “sim”, talvez porque conviva demais com o “não”.

Queria nunca decepcionar e sempre superar as expectativas. Nunca ver um sonho acabar muito menos fazer o papel de “despertador”.

Queria lembrar somente dos sonhos bons e ter mais forças para torná-los realidade.

Queria sentir em todas as manhãs a primavera e em todas as tardes o cheiro de chuva encontrando a terra seca.

Queria ver borboletas todo o tempo e que elas me acompanhassem quando saísse na rua.

Queria que mais pessoas sorrissem ao me verem.

Queria sorrir mais para elas.

Queria trazer paz com minhas palavras e bons exemplos com minhas atitudes.

Queria que meus amigos nunca partissem e se isso fosse realmente necessário, que as despedidas pudessem ser longas e calorosas, porque só quem já perdeu um amigo sabe como um mero abraço faria diferença.

Queria carregar a inocência da infância no olhar e a sabedoria da idade nos meus conselhos.

Queria ver meus planos se realizarem e não cometer tantos erros.

Queria que me perdoassem por eles.

Queria alguém que me abraçasse por aqueles erros que não têm perdão.

Queria ter falado menos para que sua voz ecoasse profundamente em minha alma.

Queria que entendesse que sua indiferença me ofende, que nem assim eu deixo de te amar e que sinto raiva de mim por isso.

Queria que olhasse para o lado e me visse, porque eu estou aqui.

Queria poder lhe esquecer ou por um segundo deixar você de lado.

Queria pelo menos fingir que consigo.

Queria que o amor não doesse e que seu olhar fosse resistível

Queria terminar tudo que começo e entender todos os poemas que leio.

Queria não precisar esconder meu coração para protegê-lo e que para qualquer lado que seguisse fosse bem recebido.

Queria acreditar em contos de fadas e amores eternos.

Queria falar sobre política sem me enfurecer.

Queria que coca-cola não viciasse e que chocolate não engordasse.

Queria que avós ainda tricotassem e crianças brincassem na rua.

Queria que o que eu fui não detestasse o que me tornei.

Queria ler pensamentos, ver o futuro e mandar no tempo.

Queria ter certeza do que realmente quero.


Darienny

1 comentários:

  • Muito bom!

    Ressalto a parte que mais gostei:

    "Queria que meus amigos nunca partissem e se isso fosse realmente necessário, que as despedidas pudessem ser longas e calorosas, porque só quem já perdeu um amigo sabe como um mero abraço faria diferença."

    Obrigado

  • Postar um comentário

    Blog Widget by LinkWithin